amuseBOUCHE

Para falar do que eu gosto...

DiárioReceitasVinhos & CiaDicas e AfinsDicionário

Arquivo de dezembro de 2008

Só Isso V – Feliz 2009

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Um par de marrons glacés…uma taça de Crémant. Só isso.
Que o tempero de seu 2009 tenha muito sabor e equilíbrio!

Só Isso V – Feliz 2009

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Um par de marrons glacés…uma taça de Crémant. Só isso.
Que o tempero de seu 2009 tenha muito sabor e equilíbrio!

Caranguejada em Guaratuba

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Regra número 1: respeitar o período de defenso – caranguejo só pode ser caçado e comido de dezembro a janeiro.

Regra número 2: as fêmeas não devem ser capturadas, apenas os machos. Assim, a desova e perpetuação são garantidas (me disseram que um caranguejo leva cerca de 7 anos para atingir o tamanho ideal de consumo).

Regra número 3: encontre um bom fornecedor, que além de seguir as duas regras acima, lhe entregue os caranguejos frescos, já bem lavados e limpos, sem a carapaça, tripas, etc.

Regra número 4: providencie o martelinho e a tábua de madeira. Ajuda bastante na hora de quebrar as garras e patinhas.
Regra número 5: encontre um sogro que cozinhe muito bem e peça para ele fazer a receita de praxe, que arranca aplausos a cada temporada.

Caranguejada do Meu Sogro
Ingredientes:
- Três dúzias de caranguejos lavados e limpos (sem a “cabeça”, só as patolas e patinhas).
- 1 maço de alfavaca.
- 1 garrafa (600ml) de cerveja tipo pilsener.
- 1,2 litros de água.
- 1 colher de sopa de sal.

Modo de Preparo:

1. Despeje a alfavaca, a cerveja, a água e o sal num panelão. Leve ao fogo.
2. Quando começar a ferver, acrescente o caranguejo. Cozinhe por cerca de 30 minutos (até que você puxe uma patola e ela se desprenda facilmente do “corpo” do caranguejo). Sirva com o molho de cenouras.

Molho de Cenouras
Ingredientes:
- 4 cenouras “bem vermelhas” (devem estar adocicadas) descascadas e picadas em rodelas grossas.
- 1/2 cebola descascada.
- 2 colheres de sopa de vinagre branco.
- Óleo o quanto baste (de soja, milho ou canola).
- sal a gosto.

Modo de Preparo:

1. Coloque as cenouras, a cebola, o vinagre e o sal no liquidificador. Comece a bater.
2. Aos poucos vá colocando o óleo, até que emulsione. O molho deve ficar com consistência de maionese.

Como comer: “destaque” as patinhas e patolas. Com o martelinho de madeira quebre a casca, retire a carne e mergulhe no molho de cenouras.

Regra geral: vale se lambuzar, se sujar e lamber os dedos!

Caranguejada em Guaratuba

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Regra número 1: respeitar o período de defenso – caranguejo só pode ser caçado e comido de dezembro a janeiro.

Regra número 2: as fêmeas não devem ser capturadas, apenas os machos. Assim, a desova e perpetuação são garantidas (me disseram que um caranguejo leva cerca de 7 anos para atingir o tamanho ideal de consumo).

Regra número 3: encontre um bom fornecedor, que além de seguir as duas regras acima, lhe entregue os caranguejos frescos, já bem lavados e limpos, sem a carapaça, tripas, etc.

Regra número 4: providencie o martelinho e a tábua de madeira. Ajuda bastante na hora de quebrar as garras e patinhas.
Regra número 5: encontre um sogro que cozinhe muito bem e peça para ele fazer a receita de praxe, que arranca aplausos a cada temporada.

Caranguejada do Meu Sogro
Ingredientes:
- Três dúzias de caranguejos lavados e limpos (sem a “cabeça”, só as patolas e patinhas).
- 1 maço de alfavaca.
- 1 garrafa (600ml) de cerveja tipo pilsener.
- 1,2 litros de água.
- 1 colher de sopa de sal.

Modo de Preparo:

1. Despeje a alfavaca, a cerveja, a água e o sal num panelão. Leve ao fogo.
2. Quando começar a ferver, acrescente o caranguejo. Cozinhe por cerca de 30 minutos (até que você puxe uma patola e ela se desprenda facilmente do “corpo” do caranguejo). Sirva com o molho de cenouras.

Molho de Cenouras
Ingredientes:
- 4 cenouras “bem vermelhas” (devem estar adocicadas) descascadas e picadas em rodelas grossas.
- 1/2 cebola descascada.
- 2 colheres de sopa de vinagre branco.
- Óleo o quanto baste (de soja, milho ou canola).
- sal a gosto.

Modo de Preparo:

1. Coloque as cenouras, a cebola, o vinagre e o sal no liquidificador. Comece a bater.
2. Aos poucos vá colocando o óleo, até que emulsione. O molho deve ficar com consistência de maionese.

Como comer: “destaque” as patinhas e patolas. Com o martelinho de madeira quebre a casca, retire a carne e mergulhe no molho de cenouras.

Regra geral: vale se lambuzar, se sujar e lamber os dedos!

Piadinha – Classe Econômica

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

No avião a aeromoça pergunta ao passageiro:

- Estamos iniciando nosso serviço de bordo, o senhor deseja jantar?
- E quais são as opções?
- Ou sim, ou não.

Piadinha – Classe Econômica

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

No avião a aeromoça pergunta ao passageiro:

- Estamos iniciando nosso serviço de bordo, o senhor deseja jantar?
- E quais são as opções?
- Ou sim, ou não.

Para presente

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Fila do caixa, na Livraria Cultura. Reparo na senhora à minha frente: baixinha, uns 65 anos, com uns sete ou oito livros na mão, todos do mesmo autor. A curiosidade vence a minha costumeira rabugice-de-fim-de-ano. Resolvo puxar papo:

- Pôxa, a senhora é fã do Rubem Alves, hein!?
- É que meu filho mais velho descobriu Rubem Alves e se “apaixonou” por ele…vou dar de presente de natal.
- Humm, sei…também gosto muito do Rubem Alves.

Três segundos de silêncio e ela continua, em tom de segredo:

- Sabe, eu tenho uma discoteca e uma biblioteca imensas… invisto a minha aposentadoria em livros. E em música! Costumo dizer que é a “fazenda” que eu vou deixar de herança para os meus filhos e netos. Conhecimento, prazer e cultura. Tenho certeza que a partilha das terras vai dar briga entre eles, mas será uma briga boa! (risos)

Pagamento feito, ela sai apressada para embrulhar os livros. Haja papel colorido. Rubem Alves tem conteúdo de muitos alqueires.

Para presente

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Fila do caixa, na Livraria Cultura. Reparo na senhora à minha frente: baixinha, uns 65 anos, com uns sete ou oito livros na mão, todos do mesmo autor. A curiosidade vence a minha costumeira rabugice-de-fim-de-ano. Resolvo puxar papo:

- Pôxa, a senhora é fã do Rubem Alves, hein!?
- É que meu filho mais velho descobriu Rubem Alves e se “apaixonou” por ele…vou dar de presente de natal.
- Humm, sei…também gosto muito do Rubem Alves.

Três segundos de silêncio e ela continua, em tom de segredo:

- Sabe, eu tenho uma discoteca e uma biblioteca imensas… invisto a minha aposentadoria em livros. E em música! Costumo dizer que é a “fazenda” que eu vou deixar de herança para os meus filhos e netos. Conhecimento, prazer e cultura. Tenho certeza que a partilha das terras vai dar briga entre eles, mas será uma briga boa! (risos)

Pagamento feito, ela sai apressada para embrulhar os livros. Haja papel colorido. Rubem Alves tem conteúdo de muitos alqueires.

Salada

sábado, 20 de dezembro de 2008

As saladas aqui em casa caem sempre na mesmice: folhas, tomate, às vezes um pouco de cenoura ralada. Azeite, sal, limão ou balsâmico. Nunca faltam na mesa, porém nunca são o centro das atenções. Talvez preguiça, talvez acomodação ou falta de criatividade, não costumo comê-las como prato principal.

Mas desta vez foi diferente: semana passada estive em Carambeí, no Paraná. Esta região dos Campos Gerais foi colonizada por holandeses e é famosa por possuir a melhor bacia leiteira do Brasil. Durante a viagem de volta paramos numa fabriqueta da estrada, a Queijos Niemeyer, para tomar um café e esticar as pernas. Lá encontrei uma das melhores mussarelas “nozinho” que já comi. Sabor pronunciado de creme leite, salgadinha e com as “fibras” características. O lote havia sido produzido na véspera. Tão bom que além de ser tira-gosto, merecia também ir para o prato.

Cheguei em casa e fiz o seguinte: piquei uns 12 tomates-cereja e misturei com um bom punhado de folhas de salsinha, inteiras. Temperei com azeite, pimenta branca de Penja moída, um tico de sal e outro de balsâmico. Por cima muito pinoli tostado e a muzzarela “nozinho” desfiada.

Para quem passar por aquelas bandas, o endereço é: Queijos Niemeyer – Rodovia PR 151 – Km 304 – Carambeí-PR; fone (42) 3231 5892. Apesar do atendimento não ser muito simpático (eu diria, na verdade, que é apático), os produtos frescos e preparados em pequenos lotes valem a parada.

Salada

sábado, 20 de dezembro de 2008

As saladas aqui em casa caem sempre na mesmice: folhas, tomate, às vezes um pouco de cenoura ralada. Azeite, sal, limão ou balsâmico. Nunca faltam na mesa, porém nunca são o centro das atenções. Talvez preguiça, talvez acomodação ou falta de criatividade, não costumo comê-las como prato principal.

Mas desta vez foi diferente: semana passada estive em Carambeí, no Paraná. Esta região dos Campos Gerais foi colonizada por holandeses e é famosa por possuir a melhor bacia leiteira do Brasil. Durante a viagem de volta paramos numa fabriqueta da estrada, a Queijos Niemeyer, para tomar um café e esticar as pernas. Lá encontrei uma das melhores mussarelas “nozinho” que já comi. Sabor pronunciado de creme leite, salgadinha e com as “fibras” características. O lote havia sido produzido na véspera. Tão bom que além de ser tira-gosto, merecia também ir para o prato.

Cheguei em casa e fiz o seguinte: piquei uns 12 tomates-cereja e misturei com um bom punhado de folhas de salsinha, inteiras. Temperei com azeite, pimenta branca de Penja moída, um tico de sal e outro de balsâmico. Por cima muito pinoli tostado e a muzzarela “nozinho” desfiada.

Para quem passar por aquelas bandas, o endereço é: Queijos Niemeyer – Rodovia PR 151 – Km 304 – Carambeí-PR; fone (42) 3231 5892. Apesar do atendimento não ser muito simpático (eu diria, na verdade, que é apático), os produtos frescos e preparados em pequenos lotes valem a parada.
Amuse Bouche - Conteúdo alimentado por Rogério Moraes
Design; OPORTO design integrado