amuseBOUCHE

Para falar do que eu gosto...

DiárioReceitasVinhos & CiaDicas e AfinsDicionário

Arquivo de abril de 2009

Acabou a crise!!!

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Novo assunto para a mídia mundial: gripe suína e correlatos.

Com esta novidade tão profícua, quem vai querer veicular os supostos problemas econômicos de Mr. Obama e Sir Brown?

Piadinhas – Só para iniciados…

domingo, 26 de abril de 2009

Fuçando na net, voltei 20 anos no tempo. Já contei muito estas piadas, durante ensaios, entre uma pausa e outra de um concerto. Elas não mudaram. Será que os violistas e seu jeito de tocar também não?

As “melhores” piadas sobre viola

Porque as piadas sobre viola são curtas?
- Para os violinistas poderem entender

Como se diferencia um violista de um cachorro?
- Um cachorro sabe quando deve parar de arranhar.

Você já ouviu falar daquele violista que afirmava tocar fusas?
- A orquestra não acreditou e ele provou tocando uma.

Quando é que uma viola está tocando desafinada?
- Quando o arco se move.

Porque muitas pessoas adquirem aversão instantânea à viola?
- Poupar tempo.

Qual a diferença entre um cortador de grama e uma viola?
- Se for absolutamente necessário, pode-se utilizar o cortador de grama num quarteto de cordas.

Se você estivesse perdido no deserto, para quem pediria ajuda: a um bom violista, a um mau violista ou a papai noel?
- A um mau violista. Os outros dois são produtos da sua imaginação.

Porque as pessoas tremem de medo quando alguém entra num banco com um estojo de violino embaixo do braço?
- As pessoas pensam que ele carrega uma metralhadora e que pode usá-la.
Porque as pessoas tremem de medo quando alguém entra num banco com um estojo de VIOLA embaixo do braço?
- As pessoas pensam que ele carrega uma viola e que pode usá-la.

Jet lag

domingo, 19 de abril de 2009

A insônia continua nesta viagem ao Oriente Médio. É meia noite aqui em Riyadh, só seis da tarde no Brasil…não dá para dormir depois de um típico jantar saudita: muita comida, deliciosa, farta e totalmente diferente do que se conhece no Brasil. A gente chama de comida árabe o que na verdade é comida libanesa.

Colocarei algumas idéias culinárias em prática. Quando eu voltar.

Boa pedida

sexta-feira, 17 de abril de 2009
Programa legal é ir à Pinacoteca do Estado aos sábados, quando a entrada é gratuita.

Para as crianças a diversão começa com o passeio de metrô. Depois um giro pelo museu, passando apenas pelas obras que mais chamam a atenção delas. Não dá para exigir que eles aguentem um tour completo e minucioso.

Finalizamos com um almoço no restaurante da Pinacoteca, com bela vista para o Parque da Luz. Comida apenas correta (tortas, quiches, saladas). Serviço bem atencioso.

Pinacoteca do Estado – Praça da Luz, Nr.2 – www.pinacoteca.org.br

Handle with care

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Sou louco por pimenta. De qualquer tipo. Do reino, “chillies”, exóticas, em molhos, conservas ou ao natural. Tenho uma coleção delas. Pela foto da minha cozinha pode-se ter uma idéia da minha predileção.


Na prateleira do meio estão exemplares que trouxe de longe: pimenta “Sechuan”, pimenta negra selvagem da África, “poivre long”, pimenta da Jamaica e pepperoncinni. Na parte de cima, pimenta branca de Punjab, que eu uso em alguns risottos muito especiais.

Mas não para por aí. Na geladeira contei seis vidros de pimentas diferentes. Tem de Minas, Goiás e Mato Grosso. Também tem umas brabas, lá da Bahia. E a estrela da minha “pimentoteca”: uma conserva que veio da fazenda de um amigo de Ribeirão Preto. A mistura de vários tipos de pimentas verdes, já tem uns nove anos e quanto mais envelhece, mais interessante fica, com sabores mais sutis, porém complexos. Sim, eu defendo a teoria de que boas pimentas melhoram com o tempo. Igual a certos vinhos, só que com a vantagem de poder abrir e fechar quando quiser. Infelizmente, quem preparou já faleceu e não passou adiante a fórmula secreta. Portanto, o potinho é único e eu só uso em pratos que realmente merecem (como o bobó de camarão da minha mãe, receita de gerações).


Outra coisa que faz sucesso por aqui é um molho de pimenta facílimo que preparo há muito tempo. Vários amigos já provaram, aprovaram e pediram a receita. Enfim tomei vergonha e medi a quantidade dos ingredientes, para poder publicar. Especialmente para aqueles que como eu, acham que pimenta na língua é refresco.


Meu Molho de Pimenta

Ingredientes:

- 12 pimentas dedo de moça maduras, lavadas e sem o “cabinho” (para um molho mais forte, pode-se adicionar algumas pimentas malagueta).
- 2 dentes de alho descascados.
- 100ml de azeite de oliva.
- 100ml de vinagre de vinho tinto.
- 100ml de massa de tomate.
- 2 colheres de café de sal.

Modo de preparo:

Bater tudo no liquidificador. Acondicionar em um pote de vidro e guardar na geladeira.

Amuse Bouche - Conteúdo alimentado por Rogério Moraes
Design; OPORTO design integrado