amuseBOUCHE

Para falar do que eu gosto...

DiárioReceitasVinhos & CiaDicas e AfinsDicionário

Arquivo de novembro de 2009

Amuse Bouche de novembro: pontas de aspargos no pires com brie fondant e mel silvestre

sábado, 28 de novembro de 2009

 

Nesta época do ano, aqui em São Paulo, aparecem aspargos por todos os lados. Bom motivo para um Amuse Bouche. A idéia deste mês é muito simples, não dá pra chamar de receita, apesar do título comprido do post. Preenchi a parte redonda de um pires (onde se “encaixa” a xícara) com mel silvestre. Coloquei uma ponta de aspargo que foi previamente branqueada por 1 minuto em água fervente. Por cima um naco de queijo brie. Em seguida, levei tudo ao forno bem quente, por uns poucos minutos. Apenas o suficiente para o queijo começar a derreter. Muito fácil. Muito gostoso.

 

aspargo2

Definição

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

O que são calorias?

Calorias são pequenos vermes, inescrupulosos, que vivem nos guarda roupas e que, durante a noite, apertam a roupa das pessoas, para fazê-las pensar que engordaram.

Radiola 8 – Escuta aí, vizinha!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

 

Hoje é feriado. Aproveito que está tudo tranqüilo por aqui. Sento ao computador para enfim atualizar o blog com uma receita que copiei do Marakuthai. Mas nada é perfeito: uma música altíssima entra pelo escritório. Fechar a janela com este calorão está fora de cogitação. Nem preciso descer para ver o que está acontecendo… é a fubanga da minha vizinha, lavando o carro na calçada de shortinho, camiseta da última eleição e crocs. Sensualidade de ogro. As portas do carro estão abertas, o rádio ligado no máximo, tocando um pagode da moda.

 

Penso: por que será que ela insiste em dividir comigo seu gosto musical medonho? Sinto um desejo de vingança aparecer: Se eu fosse pagar na mesma moeda…o que eu colocaria para ela escutar? O que eu tocaria para incomodá-la? A resposta vem imediatamente: o dificílimo Concerto n°2 para Violino e Orquestra (Metamorphosen) do polonês Krzysztof Penderecki. Para quem gosta de música do século vinte, como eu, é instigante e interessantíssimo. Para quem não conhece (como a vizinha) é denso, opressor, pesado, mórbido, quase insuportável. Não é sempre que eu o escuto. Preciso estar preparado psicologicamente. Porque este concerto me transporta a um lugar em que nunca estive e a uma época a que não pertenci. São cenas de gueto da Segunda Guerra. Perseguição, talvez dor e preconceito. Poderia perfeitamente fazer parte da trilha sonora da Lista de Schindler.

 

A versão abaixo, minha preferida, é de Anne-Sophie Mutter tocando ao vivo sob a batuta de Mariss Jansons. Foi a ela que o concerto foi dedicado e coube-lhe também a estréia mundial. Não dá para colocar no tocador Mp3 do Amusebouche, são cerca de 38 minutos de música ininterrupta e “complicada” de ouvir.

Krzysztof Penderecki

Violin Concerto n°2 – Metamorphosen

Anne-Sophie Mutter, Violino

Sinfonieorchester des Mitteldeutschen Rundfunks – Mariss Jansons, regente

 

 

Em tempo: a vizinha acabou de abaixar o volume. Vou correr lá em baixo. Quem sabe ela também não quer dar um trato no meu carro, que está meio sujinho? Posso até pagar uns trocados. Mas ela vai ter que ouvir Penderecki.

Décadence avec Élégance

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

 

Desejo de domingo à noite: junk food! E olha que as crianças nem estavam em casa…

 

Dei um pulo no supermercado e comprei o necessário. Em trinta minutos o jantar estava pronto:

 

Hambúrguer: 400g de picanha moída que viraram 2 hambúgueres de 200g cada. Temperei a carne apenas com sal.

 

Batatas fritas: congeladas, da minha marca preferida. O truque para a cozinha não ficar cheirando a óleo durante a fritura? Aprendi com a minha sogra: coloque as batatas direto do freezer na panela. Cubra com óleo de canola. Tampe a panela e só então acenda o fogo. Deixe fritar normalmente, retirando com a escumadeira e colocando em papel toalha quando estiverem douradas. É surpreendente como ficam crocantes e a cozinha sem nenhum cheiro desagradável.

 

Molho: pepino em conserva picadinho + maionese + um pouco de mostarda.

 

Os tomates da foto? Apenas para aplacar um pouco a culpa e enganar a consciência.

 

hamburger1

Piadinha – Infame

domingo, 8 de novembro de 2009

 

Camarãozinho conversando com seu irmão menor:

- Estou muito preocupado com papai e mamãe…

- É? Por quê?

- Saíram faz dois dias dizendo que iam a um coquetel e não voltaram mais…

Pudim de Pão II

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

 

A dica foi enviada pela Chris através de um comentário neste post. É o pudim de pão que a avó dela fazia, sem leite condensado. Totalmente “slow food”!

 

Nada melhor que um feriado com bastante tempo livre para testar a sugestão. Confesso que quando terminei de bater a massa no liquidificador fiquei bastante apreensivo. Achei-a muito líquida; tive a impressão de que talvez o pudim não firmasse. Mas não se deve desconfiar das receitas de avó. São aperfeiçoadas ao longo de muitos anos e sempre dão certo. De modo que segurei meus instintos e segui todas as instruções, exceto pelo absinto e as frutas cristalizadas, que não havia na despensa. A receita rende bastante. Enchi uma forma “normal” de 23cm e outra do tipo “bolo inglês”. Como meu forno é meio biruta, precisei de um tempo um pouco maior para assar, cerca de 2 horas.

 

Se ficou bom? Sensacional! Pela foto abaixo, meio tosca e tirada com o celular, dá para perceber que sobrou quase nada. Testado, aprovado e recomendado. Obrigado Chris!

 

pudim31

Pudim de pão com frutas cristalizadas e damascos ao aroma de Absinto
receita da Marie Christine Carrano

Ingredientes:

- 1 l de leite
- 4 xícaras de miolo de pão cortado em cubos
- 8 ovos
- 3 xícaras de açúcar
- 250 g de frutas cristalizadas
- 100 g de damascos secos
- 2 cálices de rum
- 2 cálices de Absinto
- 1 colher de chá de canela em pó
- calda de caramelo feita com 2 xícaras de chá de açúcar e uma de água

Modo de Preparo:

Coloque as frutas cristalizadas e os damascos bem picados de molho no rum e no Absinto.
Deixe o pão de molho no leite por mais ou menos 1 hora. Depois desse tempo, esprema bem até obter a quantidade de 4 xícaras. Torne a colocar o pão no mesmo leite e junte o açúcar, a canela e os ovos. Bata tudo no liquidificador.
Quando tiver se formado uma massa homogênea, despeje numa travessa e acrescente as frutas e as bebidas e misture bem.
Prepare a calda de caramelo (se achar necessário, coloque um pouco mais de açúcar e água). Despeje o caramelo numa forma de pudim com furo no meio.
Espalhe bem pela forma toda e espere esfriar um pouco. Despeje o pudim na forma, espalhando as frutas no fundo. Asse em forno moderado, em banho-maria, durante 1 ½ h mais ou menos ou até que enfiando um palito, este saia limpo.
Deixe esfriar e leve à geladeira. Na hora de servir, aqueça rapidamente a forma para que o caramelo derreta um pouco e desenforme num prato de bolo.
Bom apetite!

Rendimento: 8 a 10 porções

Amuse Bouche - Conteúdo alimentado por Rogério Moraes
Design; OPORTO design integrado