amuseBOUCHE

Para falar do que eu gosto...

DiárioReceitasVinhos & CiaDicas e AfinsDicionário

Arquivo de maio de 2011

Duke and Duchess

sábado, 7 de maio de 2011

 

Eu sei, o assunto já está ficando ultrapassado e é totalmente “off-topic“. Mas como não comentar o “enlace real”? Se eu assiti? Lógico! E ao vivo! Confesso que tive a pachorra de acessar a CNN com meu laptop, no carro, enquanto voltava para casa. Entendam bem: eu vi Charles e Diana casando quando era moleque. Foi o evento do século quando eu era criança. Como é que eu ia perder o casamento do filho deles?!? Existiria prova maior de que o tempo está passando e de que estou envelhecendo? Agora só falta eles produzirem um herdeiro, para que eu, patropi puro sangue, me sinta meio avô da criança. Ridículo mas verdadeiro.

 

Mas na verdade Williams, Kates, Elizabeths, Charles e Dianas não passam de pretexto para que eu fale a respeito de um artigo publicado na última 3ª. Feira, dia 3, no “China Daily” (o jornal em Inglês daqui). A matéria comenta as réplicas do vestido nupcial que já estão disponíveis aqui na China podem ser encomendados on-line no “TaoBao.com” (o “Mercado Livre” daqui). Diz o texto que o modelo de Sarah Burton foi disponibilizado por algumas lojas chinesas poucas horas depois do casamento. O preço? Módicos US$ 280, incluindo o véu! Se isto aqui é crime? Não. Tudo perfeitamente legal: o design de roupas e vestuário não é protegido pelas leis de propriedade intelectual na China. E na foto abaixo podemos ver Wang Jiawang e sua noiva Zhao Tingting, os primeiros a se casar copiando o “estilo real”, apenas 36 horas após a cerimônia na Inglaterra. Eles e cerca de mais 20 clientes por dia têm comprado a fatiota completa.

 

 

Duque e Duquesa chineses - Wang Zhaowang e sua noiva Zhao Tingting

Duque e Duquesa chineses - Wang Zhaowang e sua noiva Zhao Tingting - China Daily 03.05.2011

 

 

O que me chama a atenção nisto tudo não é fantástica capacidade chinesa de copiar, nem o frenesi das noivinhas atrás do vestido, nem o poder da mídia em pasteurizar a moda (até porque de moda eu entendo lhufas). Me surpreende (ainda) é a rapidez com que este país caminha, reage, se move e atende à demanda de seu enorme número de consumidores. Impressionante. E assutador…

É batata

domingo, 1 de maio de 2011

 

Dia destes sobrou tempo e resolvi almoçar em casa. Quase chegando, vi um carrinho diferente em frente a uma construção: na carroceria uma geringonça esquisita, com direito a chaminé com fumacinha e tudo. E algumas frutas e legumes ao lado.

 

carrinho1

 

É lógico que fui conferir. Descobri batatas doces assadas num antigo forno à lenha.

 

 

 

carrinho2 

 

Pedi três bem graúdas e aceitei sem regatear o preço (RMB 10), para alegria do velhinho que pilotava aquele “Baked Potato” versão oriental.

 

carrinho3

 

Aos poucos começou a chegar um bando de chineses, curiosos, rindo e tentando entender o que um laowai alto, branquelo e careca fazia naquele carrinho. Mais ainda, por que o laowai bobão pagava tão caro por aquela comida tão simplória? E ainda por cima ficava tirando fotos de tudo com o celular?!?

 

 

 

 

carrinho4

 

Mal sabiam que o laowai se interessa por tudo o que é “street food”. E que adora batatas doces, especialmente estas de polpa alaranjada (Hóng Shŭ = = batata vermelha), que foram devoradas logo em seguida, ainda quentes, com muita manteiga e um tico de sal.

De novo à mesa…

domingo, 1 de maio de 2011

 

Pois é, desde o dia 11 de abril o AmuseBouche esteve fora do ar. Motivo? Algum maldito hacker entrou no blog e bagunçou tudo! Literalmente sumi da internet. Deu muito trabalho arrumar tudo novamente. Coisas postas em ordem, não sei ainda por que motivos, fiquei vários dias impedido de acessar em Shanghai. Hoje, enfim, consegui carregar a página aqui na China. Continuamos, entretanto, banidos do Google. Sei lá a razão. Sei lá por quanto tempo.

O que importa é que esta “cozinha virtual” já está ajeitada e já, já ligarei o fogão.

Amuse Bouche - Conteúdo alimentado por Rogério Moraes
Design; OPORTO design integrado