amuseBOUCHE

Para falar do que eu gosto...

DiárioReceitasVinhos & CiaDicas e AfinsDicionário

Sobre risotto, novamente

Como é possível que eu esteja casado há 10 anos com uma mulher que não gosta de berinjelas, uvas-passas e, principalmente, cogumelos de qualquer espécie? Só o coração pode explicar. Cá entre nós, são ingredientes deliciosos. E fazem falta no cardápio quotidiano. Principalmente os cogumelos. Shitake, Shimeji, Champignon e cia. só aparecem na minha mesa em dias como hoje, quando estou sozinho em casa. Bela oportunidade para usar parte do pacote de Funghi Porcini de primeiríssima que estava escondido na geladeira.

Em se tratando de Funghi Porcini, penso, penso, e acabo optando sempre por Risotto. Minha receita é “de olho”. Nunca meço as quantidades, vou pela intuição. Importante mesmo é respeitar o processo e o utilizar os melhores ingredientes disponíveis. “Curtir” o preparo, apreciar as nuances do cozimento e os aromas que vão enchendo a cozinha à medida em que o prato vai ficando pronto é quase tão gostoso quanto comê-lo. Uma taça de bom vinho à mão também ajuda…Fazendo com prazer, não tem como errar. Principalmente se você leu o post abaixo e seu link.

Esta noite foi mais ou menos assim:

Risotto de Funghi Porcini (perdoem-me os que gostam de receitas detalhadas)

1. Cobrir os cogumelos com água morna para hidratá-los. Leva mais ou menos 1 hora.
2. Esquentar o caldo de galinha.
3. Refogar em cebola bem picadinha em uma boa quantidade de manteiga, até que esteja transparente.
4. Juntar o arroz (arbóreo ou carnaroli, é claro) e deixar que “absorva” a manteiga.
5. Regar com vinho branco seco, mexendo até evaporar.
6. Juntar o caldo fervente, aos poucos, até que o arroz esteja quase no ponto (al dente). Neste momento, juntar os funghi espremidos e um pouco da água em que ficaram de molho.
7. Mexer de vez em quando, até chegar no ponto (al dente, al onda).
8. Apagar o fogo, juntar mais uma colherada de manteiga, queijo parmiggiano ralado na hora e mexer bem. Desta vez juntei também uma colherada de creme de leite fresco que estava na geladeira.
9. Comer em silêncio e devoção profundos. Afinal, não é todo dia que Porcinni auntênticos estão disponíveis.

Em tempo: No começo eu disse que minha querida detestava qualquer tipo de fungos? Engano. Como em tudo na vida, neste caso também há uma exceção. Gabriela ama as trufas e os azeites aromatizados com elas. Mas obviamente não é isto que mantém um casamento de dez anos…

5 comentários para “Sobre risotto, novamente”

  1. Fer Ayer disse:

    Se serve de consolo…tb tenho 10 anos de casada e amo massa e chocolate (o Frederico nem liga) e ele ama qualquer coisa com shoyo em cima e com peixe cru (eu odeio), definitivamente não é por isso que estamos casados há 10 anos…risos.

    ps: mas a melhor massa que eu como é a que ele faz e eu faço uns peixes para ele que ele ama…haha

  2. Ana Elisa disse:

    Rogério,
    obrigada pela menção! :)
    Sabe que ontem mesmo achei um potinho fechado na geladeira e me perguntei: “What the f*ck? O que é isso?”, e eram os porcini secos que minha cunhada me trouxera e que eu havia esquecido no fundo da geladeira. Estou pensando em dar-lhes o mesmo sensacional destino que você deu: risotto… Nham-nham… Entendo o que você passa… Tenho um marido que não gosta de abóbora, nozes, feijão branco e ervilha-torta. Tudo o que EU ADORO. Vai entender… ;)

    Beijos!

  3. Rogério disse:

    Fer,
    Um dia ainda vou escrever um tratado sobre as diferenças conjuguais…não só as gastronômicas.

    Ana,
    Na verdade não só o seu post sobre risotto, mas toda a série 1.01 são de utilidade pública! :)
    Bom, agora meu estoque de funghi acabou (fiz um restinho com polenta ontem. Vou postar em breve). E só vou passar pela Itália em novembro…acho que sobrevivo até lá!

    beijos
    Rogério

  4. Mari Rezende disse:

    Rogério,
    Mesmo que a receita do risotto não esteja muito detalhada como você disse, dá pra entender completamente… E parece tããão apetitosa! A boca encheu d’água! :D

  5. Cristiane de Ângelo disse:

    No0o0ssa! Amei o texto, muito bem construído… Além de tudo, tens uma veia jornalística aí! rsrs
    Assim como os porcini deixados lá geladeira, este talento pra escrever também daria uma deliciosa aventura pela magia da literatura rsrs.
    Qnto as diferenças no casamento, eu diria que é o tempero perfeito.
    Bjs de sol.

Deixe um comentário

 
Amuse Bouche - Conteúdo alimentado por Rogério Moraes
Design; OPORTO design integrado