amuseBOUCHE

Para falar do que eu gosto...

DiárioReceitasVinhos & CiaDicas e AfinsDicionário

一年 (Um Ano)

26 de julho de 2010: Desembarcávamos em Pudong, um calor insuportável. Ah se houvesse quem fotografasse a nossa cara… Gabi otimista e cansada. As crianças num misto de espanto, curiosidade e excitação. Eu sério, tentando disfarçar o medo. A responsabilidade de construir coisas novas pesando. E se não der certo? E se não conseguirmos? E se estivermos colocando todo o nosso futuro a perder? E se, e se, e se?

Nunca me senti tão baratinado e impotente quanto nas primeiras semanas. A língua dificílima (eu já sabia). Impossível falar, pedir, ler, entender ou comunicar qualquer coisa. Pensava cá comigo: “Será que estes chineses realmente não estão me compreendendo? Não, não é possível! Minha mímica é claríssima! Acho que eles fingem que não estão entendendo para não ter que fazer o que eu peço”. Pior ainda era quando alguém do escritório tinha de servir de intérprete, nos momentos em que meus interlocutores não falavam nada de Inglês. Eram longas discussões em Mandarin, eu assistindo com cara de paisagem e pensando: “caramba, eles estão brigando, o que será que está acontecendo? O que será que estão conversando? Vai dar tudo errado!”. E ao final de minutos que pareciam horas, o caridoso intérprete da vez concluía: “Ok, ok, Mr. Roger. They said they will do their best solve your problems!”.

E “problems” não faltavam no começo: dos mais singelos aos mais complexos. Desde não reconhecer o sal e o açúcar na prateleira do supermercado até passar uma tarde inteira detido na delegacia por esquecer-me de comunicar à polícia do bairro que havíamos saído do hotel e mudado para nosso endereço definitivo.

Mas não são os problemas que eu quero tratar aqui. Eles ainda existem e continuarão nos desafiando. Quero mesmo falar é que já caminhamos muito além do que imaginávamos desde que começamos a “escalar a muralha da China”. Superamos muitos obstáculos. Conquistamos nosso espaço, passo a passo.

muralha7

Sozinhos, obviamente não teríamos conseguido. Sentimos a mão e a presença de Deus em cada minuto que se passou. Logo na chegada surgiram amigos que nos deram dicas preciosas. Dispostos a nos ajudar a qualquer hora, dividiram conosco suas experiências, sucessos e fracassos, o que ajudou a evitar muitos erros e aborrecimentos. Alguns já voltaram para seu país de origem. Muitos continuam por aqui. E imagine só? Hoje nós também fazemos, com muito prazer, o papel de apoiar os recém chegados.

Conhecemos gente maravilhosa, que batalha conosco diariamente, com dedicação, carinho e alegria. E o saldo até o momento são mais sorrisos do que sisudez. Na maioria das situações os chineses com quem convivemos têm sempre um olhar cordial e a disposição de nos entender e ajudar.

Aprendemos muito. E seguimos no aprendizado, erros e acertos, degrau a degrau. A comunicação aos poucos vai se tornando menos complexa. Encontram-se os caminhos, os truques, e as “pérolas escondidas” da cidade. Chegam os primeiros amigos chineses. E o conforto de sentir-se menos Lăowài e mais shanghainês vai aparecendo.

Estamos felizes e acho que é por isso que me impus a obrigação de escrever a respeito. É interessante registrar neste blog as curiosidades e peripércias de nossa vida chinesa. Mas mais importante é contar as bênçãos e as vitórias. Obrigado, Deus!

10 comentários para “一年 (Um Ano)”

  1. Ale disse:

    Rô, muito bom!
    Fico muito feliz vendo como as coisas vão se acertando. Lembro do seu momento antes da ida…
    Parabéns por ter chego a esse momento.

    abcs

  2. Rosa Núñez disse:

    Hi, Mr. Moraes and a lot of congrats for your blog and for your success in China…I enjoy a lot not only your recipes but your thoughts writen for us…THANKS for both. Rosa from Venezuela

  3. Rogerio disse:

    Hello, Rosa!
    Thanks very much for your kind words. Welcome and enjoy it.
    !Saludos de China!
    Rogério

  4. Rogerio disse:

    Pois é, Ale! Lembra?
    Agora você precisa aparecer pra conhecer isto aqui.
    Vale a pena!
    Abração
    Ro

  5. Gabi disse:

    Meu Querido,
    Sem dúvida, Deus é o maior responsável pelas nossas conquistas e vitórias. Mas sua coragem em dizer SIM para Ele, foi determinante para que pudéssemos testemunhar o que Ele tem feito por nós hoje.
    Parabéns!
    Te amo
    Gabi

  6. wair disse:

    Rapaz, nem imagino o embate de situações distintas que vocês passaram. As poucas vezes em que estive na China (tá certo, estava sozinho e isto atrapalha um pouco…) sempre tive uma imensa insegurança, em virtude de não conseguir o básico – comunicar-me. Portanto, boa sorte & tudo de bom para vc e família. Abs.

  7. Nina disse:

    Precisam escrever um livro sobre as aventuras da família AmuseBouche na China.

    bjo

  8. Bete disse:

    Queridos Rogerio e Gabi,

    Faz tempo que nao nos falamos, nem trocamos email…
    Eu e Marcel ficamos muito felizes em saber que as coisas por ai estao caminhando bem…

    Beijos
    Bete e Marcel

  9. Rogério, por mais estranho que pareça, cheguei até aqui lendo um post sobre cookies…e fiquei muito tempo encantada com seu blog. Não consegui parar de ler os relatos tão minuciosos e interessantes, as receitas e as fotos. Que aventura! Meu marido esteve a trabalho na China e as histórias que me contou me deixaram muito curiosa. Meu filho mais velho (8 anos recém completos) tem uma grande vontade de conhecer esse império. Os aromas, paisagem e cultura me deixam com mais vontade ainda de ler tudo por aqui, de perguntar tanta coisa que passa pela cabeça, de querer ouvir os sons do dia a dia…enfim, de aprender.
    Vou passear mais por aqui, se me permite. Um abraço e até breve!

  10. Rogerio disse:

    Obrigado pelas palavras, Verena! Que bom que gostou! Volte sempre, a casa é sua. E fique a vontade para perguntar o que quiser sobre a China. Se eu souber, responderei com o maior prazer.
    Grande abraço,
    Rogério

Deixe um comentário

 
Amuse Bouche - Conteúdo alimentado por Rogério Moraes
Design; OPORTO design integrado