amuseBOUCHE

Para falar do que eu gosto...

DiárioReceitasVinhos & CiaDicas e AfinsDicionário

Déjà vu

Meu pai é meu “assessor de imprensa”. Explico: toda semana ele aparece por aqui com recortes de jornal e revistas que acha importante eu ler. E assim fornece o meu “clipping”, pessoal e eclético, com notícias que vão da queda de John Neschling à crise mundial, passando, obviamente, por tudo que ele encontra a respeito da empresa em que trabalho e seus concorrentes.

Sexta feira passada recebi dele várias revistas, a maioria bem desinteressante. Passei o olho rapidamente pela papelada, descartei o que era inútil e guardei o pouco que sobrou para o fim de semana. A surpresa foi uma “Revista Gula” publicada há quase nove anos! Achei ótimo. Tenho esta mania de fuçar revistas antigas, quando as encontro. Gosto de relembrar os estilos de escrita, fotografia e comunicação visual. De comparar o conteúdo do passado com o da atualidade. Ver o que foi modismo, o que virou tendência e o que veio para ficar. Me diverti com a Gula número 98, edição de dezembro de 2000:

- A linha de vinhos “Black Tower” ocupava anúncio de página inteira. Os vinhos da Marco Luigi também.
- A Josapar lançava suas “Variedades Mundiais” de arroz, na marca “Tio João”, ainda em caixa de papelão. Parece que deu certo. Os produtos ainda estão no mercado, só que em embalagem plástica. E eu continuo comprando.
- As receitas? Mais complicadas, com várias etapas e execução beirando o confuso. Quase cafonas. Muitos ingredientes, muita decoração nos pratos. As fotos, mais escuras e com luz artificial, na sua maioria inseridas em um cenário-contexto (ao contrário da tendência atual, mais “minimalista”, com muito close-up e luz natural).
- A linha “Almadén” contava com cinco varietais e dois reservas. Um ano depois viria a Pernod-Ricard com seus marketeiros e pesquisas, resolvendo reposicionar a marca…”top of mind” no passado, hoje ela anda sumida. Marketeiro é um perigo!
- Uma das reportagens (“Boa Mesa nos Céus”) fazia comparação entre os cardápios da primeira classe da British Airways, Air France, Varig (!) e Alitalia (!). Tive a oportunidade de conhecer o serviço das quatro empresas. Digo com conhecimento de causa: só o da British realmente tem classe.
- Ainda se anunciava Liebfraumilch. E neste aspecto nem tudo está perdido. Nem nas poires bocas livres se bebe garrafa azul. Evoluímos.

Daqui a uns dez anos quero encontrar outra velha revista que me conte: O que aconteceu com Ferran Adriá, Hervé This e sua gastronomia molecular? No que deu o esforço de Michael Pollan? Depois da linha de panelas Alex Atalla lançou também refirgeradores? O que se deu com a produção de vinhos no Brasil? A “ditadura” do estilo de Michel Rolland? Continuou? E os vinhos biodinâmicos?

Quem viver, lerá.

Tags:

2 comentários para “Déjà vu”

  1. Gourmandise disse:

    Ganhei uma revista Claudia Cozinha de 1968 que ilustravam o Old Eight! Só então lembrei que foi a esta bebida que fez a familia Fasano.

    Gostando ou não da Nova Cozinha Espanhola, acredito que ela já marcou a história da gastronomia.
    Hoje prestamos atenção em Pollan e os Biodinâmicos porque precisamos acreditar que o mundo ainda pode voltar a respirar. Antigamente se consumia alimentos orgânicos porque não havia escolha. Agora vivemos entalados com a modernidade em busca de fôlego, autenticidade, vida. Estamos em busca de nós mesmos.
    Meu avô dizia que tudo que é radical se torna comum um dia ou pelo menos deixa rastros.
    E esperaremos as boas novas…

    ficou longo, né?

    bjo

  2. Danielle disse:

    Parabe9ns pela “Mene7e3o Honrosa”!O meu amigo (permita-me trate1-lo assim, je1 que o Ricardo e9 muitas vezes a minha coiphnama, principalmente no carro, em podcast) deveria divulgar mais este “feito”.Mesmo que o Mark ne3o perceba nada do que se diz, gosta de ouve e, mais importante, conhece o programa.Mais uma vez, parabe9ns. Tambe9m pelo programa, que oue7o he1 anos.

Deixe um comentário

 
Amuse Bouche - Conteúdo alimentado por Rogério Moraes
Design; OPORTO design integrado