• Rogério

Alfarrábios – de palídromos e tautologia

Sou vidrado no idioma do meu país! Desde sempre. Por respeito e admiração, faço o possível para não “escorregar” quando escrevo por aqui. Procuro elaborar com clareza, revejo muito o texto, corrijo-o o máximo que consigo. As novas regras ortográficas às vezes me fazem titubear. Mas aos poucos e não sem um certo estranhamento vou tentando me acostumar: ideia sem o acento agudo, deixar o trema de lado, usar menos o hífen.

Com a vinda para a China, passei a falar muito menos em Português. E passei e ler menos sobre Português. Tenho um amigo, entretanto, que de tempos em tempos me salva a gramática, abastecendo-me de coisas interessantíssimas. Veja o que recebi esta semana (não sei qual é a fonte, por isto não é citada):

SABE O QUE É UM PALÍNDROMO? Um palíndromo é uma palavra ou um número que se lê da mesma maneira nos dois sentidos, normalmente, da esquerda para a direita e ao contrário. Exemplos: OVO, OSSO, RADAR. O mesmo se aplica às frases, embora a coincidência seja tanto mais difícil de conseguir quanto maior a frase; é o caso do conhecido: SOCORRAM-ME, SUBI NO ONIBUS EM MARROCOS. Diante do interesse pelo assunto (confesse, já leu a frase ao contrário), tomei a liberdade de selecionar alguns dos melhores palíndromos da língua de Camões… ANOTARAM A DATA DA MARATONA ASSIM A AIA IA A MISSA A DIVA EM ARGEL ALEGRA-ME A VIDA A DROGA DA GORDA A MALA NADA NA LAMA A TORRE DA DERROTA LUZA ROCELINA, A NAMORADA DO MANUEL, LEU NA MODA DA ROMANA: ANIL É COR AZUL O CÉU SUECO O GALO AMA O LAGO O LOBO AMA O BOLO O ROMANO ACATA AMORES A DAMAS AMADAS E ROMA ATACA O NAMORO RIR, O BREVE VERBO RIR A CARA RAJADA DA JARARACA SAIRAM O TIO E OITO MARIAS ZÉ DE LIMA RUA LAURA MIL E DEZ E SABE O QUE É TAUTOLOGIA?

É o termo usado para definir um dos vícios, e erros, mais comuns de linguagem. Consiste na repetição de uma idéia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido. O exemplo clássico é o famoso ‘subir para cima’ ou o ‘descer para baixo’. Mas há outros, como pode ver na lista a seguir:

– elo de ligação – acabamento final – certeza absoluta – quantia exacta – nos dias 8, 9 e 10, inclusive – juntamente com – expressamente proibido – em duas metades iguais – sintomas indicativos – há anos atrás – vereador da cidade – outra alternativa – detalhes minuciosos – a razão é porque – anexo junto à carta – de sua livre escolha – superávit positivo – todos foram unânimes – conviver junto – facto real – encarar de frente – multidão de pessoas – amanhecer o dia – criação nova – retornar de novo – empréstimo temporário – surpresa inesperada – escolha opcional – planear antecipadamente – abertura inaugural – continua a permanecer – a última versão definitiva – possivelmente poderá ocorrer – comparecer em pessoa – gritar bem alto – propriedade característica – demasiadamente excessivo – a seu critério pessoal – exceder em muito .

Note que todas essas repetições são dispensáveis. Por exemplo, ‘surpresa inesperada’. Existe alguma surpresa esperada? É óbvio que não. Devemos evitar o uso das repetições desnecessárias. Fique atento às expressões que utiliza no seu dia-a-dia.

Obrigado ao prof. Edson, meu grande amigo e ao autor, para mim desconhecido!

© 2020 Rogério Moraes